Categoria: CV/FDN

Recent Posts

A degola e o esquartejamento do inimigo, transformados em espetáculo nas redes sociais pelo Estado Islâmico (EI) para espalhar pavor entre seus inimigos, foram adotados como métodos de execução pelas facções criminosas brasileiras que estão em guerra aberta pelo controle do comércio de drogas (e das cadeias) no país.
A morte de maneira cruel foi a marca registrada dos recentes confrontos nas penitenciárias da Região Norte envolvendo integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, e seus inimigos do Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, estes aliados ao Famílias do Norte (FDN): foram 56 mortes no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compag) de Manaus (AM), e 31 mortes na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (PAMC), em Boa Vista (RR).
A influência da maneira de agir do EI não começou agora. Ela pôde ser notada nos últimos 15 meses, por exemplo, em Porto Alegre (RS), onde o Diário Gaúcho (DG) têm noticiado casos de degola e de esquartejamento entre criminosos de quadrilhas rivais. Na edição de hoje do DG, o repórter Eduardo Torres publicou uma reportagem dando conta que no período foram 16 decapitações e apenas um inquérito concluído.
Há dezenas de vídeos das execuções feitas pelo Estado Islâmico nas redes. Ao assistir aos vídeos publicados sobre as mortes em Manaus e Boa Vista, a ligação com o EI é automática na cabeça de muitos, ouvi de um especialista.
O Estado Islâmico não inventou a degola ou o esquartejamento. São duas maneiras de matar seculares, presentes ao longo da trajetória da humanidade. No Rio Grande do Sul, nos tempos das revoltas civis, sobretudo na Revolução Federalista (1893-95), a degola foi amplamente utilizada por todos os lados em combate.
O que acontece é que o EI usa com muita competência as redes sociais para divulgar os seus massacres. E graças ao barateamento do uso da internet, os vídeos circulam o mundo com imensa rapidez, como foi o caso das mortes em Manaus e Boa Vista.
Também não é a primeira vez que criminosos brasileiros são influenciados por vídeos. Nos anos 2000 atuava nas estradas do Rio Grande do Sul um bando de assaltantes de carros-fortes liderado por José Carlos dos Santos, o Seco, um jovem de classe média nascido em Candelária, pequena cidade agrícola no Vale do Rio Pardo.
Como repórter, acompanhei de perto as ações ousadas do Seco. Ele inovou no assalto a carro-forte. Dirigindo um caminhão roubado, protegido por capacete de motoqueiro e com colchões enrolados no corpo, ele abalroava os carros-fortes e os jogava para fora da estrada. Terminava o serviço usando explosivos e armas pesadas. Foi preso e cumpre uma pena de mais de 100 anos no Rio Grande do Sul.
Depois que a quadrilha de Seco foi desbaratada, a investigação policial descobriu que os métodos por ele utilizados foram aprendidos em Fogo contra Fogo, um filme de ação de 1995, estrelado por Al Pacino e Robert De Niro, em que o enredo são as táticas de ataque do bando. (veja em www.youtube.com/watch?v=a51pQm1uSbQ). Mais ainda: no andar da investigação, os policiais descobriram que todo o bandido novo incorporado ao bando tinha como primeiro trabalho ver o filme.
Este filme influenciou na maneira de se organizarem as quadrilhas que agiam na primeira década de 2000 nas terras gaúchas. Mas os estúdios de cinema de Hollywood não são culpados por seus filmes serem usados como “aula” pelos bandidos. Desmantelar e prender as quadrilhas são trabalhos para a polícia brasileira.
Da mesma forma, o EI não pode ser apontado como culpado pelo que aconteceu em Manaus e Boa Vista. Mas sua influência no modo de agir das facções é um fato.