PCC e CV se preparam para lutar pelo espólio das Farc na terra de Pablo Escobar

O massacre dos 56 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compag) de Manaus (AM) é a parte visível no acirramento da disputa entre o Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, e o Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, na corrida para ocupar o lugar no tráfico de cocaína das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que será desmantelada por conta da evolução do acordo de paz com governo colombiano. Hoje todo o produtor de cocaína e o atacadista – aquele que vende em grande quantidade – pagam pedágio para as Farc. A Colômbia perfila-se entre os maiores e mais bem organizados produtores de cocaína do mundo. É a joia da coroa.
Em um primeiro momento o desmantelamento da Farc irá trazer o caos porque os seus soldados perdem a proteção da organização. Hoje, no mundo do crime, ninguém ataca alguém protegido pelas Farc porque sabe que o poder de resposta é imediato e arrasador. Se a organização deixar de existir é cada um por si. É neste momento que os brasileiros entram em cena ocupando o vazio deixado pela Farc. Isto será feito recrutando ex-combatentes ou simplesmente substituindo por outros. O PCC e o CV têm experiência no assunto. Nos anos 90, eles levaram a guerra para as fronteiras do Paraguai, Bolívia e Colômbia. Começaram liquidando os grupo locais. Uma das batalhas que ganhou notoriedade foi a travada pelo Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, contra o seu protetor o João Morel, líder de uma bem estruturada quadrilha em Capitán Bado, cidade paraguaia dividida por um rua empoeirada de Coronel Sapucaia, pequeno município no Oeste do Mato Grosso do Sul. Nos anos 60, Morel se instalou na região e começou com o contrabando de café e depois estruturou o tráfico de maconha, cocaína e armas. Fugindo da polícia no Rio de Janeiro, Beira-Mar foi acolhido e protegido por Morel. Beira-Mar fez uma aliança com as Farc – trocando cocaína por remédios, munição e armas – e começou a fazer sombra para Morel. Em janeiro de 2001, os dois se desentenderam e o Beira – Mar mandou executar os dois filhos dele, Ramón e Mauro. Uma semana depois, mandou matar o próprio Morel. Três meses depois, Beira-Mar foi preso pelo Exército da Colômbia, aliado com a Agência Anti-Drogas dos Estados Unidos (DEA), na selva colombiana. Fernandinho cumpre pena de 120 anos no Brasil.
Nas fronteiras, o PCC e o CV não lutam por território o tempo todo. Eles também fazem alianças estratégias para defender interesses comuns. Um ruidoso caso que aconteceu no ano passado é apontado como exemplo, a execução do Rei da Fronteira, o brasileiro Jorge Rafaat, condenado por tráfico de drogas no Brasil, que vivia em Juan Pedro Cabellaro – cidade paraguaia separada por uma avenida de Ponta Porã no Oeste do Mato Grosso do Sul. A morte foi cinematográfica – https://www.youtube.com/watch?v=2aW1Rb2Hl7w – e um dos motivos teria sido porque ele decidiu aumentar o preço da maconha e da cocaína que vendia ao PCC e o CV.
A Colômbia é a terra de Pablo Escobar – https://www.youtube.com/watch?v=nzDPEiyXdB8 -. poderoso traficante morto nos anos 90. País de criminosos muito ricos, cruéis e desconhecidos. Portanto, as organizações criminosas brasileiras podem virar laranja dos interesses dos chefões, um papel que tem sido desempenhado pelas Farc. Nas últimas três décadas, pelo menos de dois em dois anos, circulo pelas fronteiras fazendo reportagens e escrevendo livros. Aprendi que a longevidade de uma organização criminosa depende do seu poder de se adaptar as mudanças na conjuntura, um assunto que o PCC e o CV são mestres.

2 Comments

  1. José Antonio Meira da Rocha

    Um comentário no vídeo do Youtube:

    “Victor Rodrigues5 meses atrás
    O RAFA ERA DA FDN LA DE MANAUS FDN “FAMILIA DO NORTE” ISSO FOI OS CARAS DO PCC MAIS JA BATERAM O MARTELO E FALARAM QUE VAI TER VOLTA”

  2. Candido

    Perfeita descrição meu caro Carlos Wagner !!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: